A nova vida de Leonardo Bonucci

  • por Victor Gandra Quintas
  • 3 Meses atrás

Da Juventus para o Milan

A melhor defesa do mundo, que até a final da Liga dos campeões havia sofrido apenas dois gols em toda a competição, perdeu um de seus pilares. Leonardo Bonucci saiu da Juventus rumo ao Milan. Uma transferência no mínimo estranha, mas compreensível, dados os motivos envolvidos. O excelente blog Gazzebra comentou a transferência, mas faremos aqui algumas novas ponderações.

Bonucci chegou à Juventus em 2010, formando de imediato dupla com Chiellini. Durante os 7 anos de Juventus, o zagueiro se destacou por sua garra dentro de campo e pela qualidade do trabalho com a bola, atributo tão raro em defensores. Sua ascensão aconteceu mesmo quando Antonio Conte treinou o time, adotando a formação com 3 zagueiros, dando mais liberdade à Bonucci.

Desde Conte até hoje, Bonucci só evoluiu. Chegando ao status de estrela mundial, é considerado um dos melhores jogadores de sua posição. O atleta passou a ser um dos pilares da Vecchia Signora e da seleção italiana, formando a defesa “BBBC”, com Buffon, Barzagli e Chiellini.

Mas o momento de paz acabou, e todo o sinal de idolatria criado em Turim acabou em poucos dias.


Leia mais: Enfim, o reconhecimento de Leonardo Bonucci


Interesse dos clubes no jogador

Como um jogador de qualidade muito acima da média, era normal despertar o interesse de clubes endinheirados. Chegou a “namorar” com os grandes espanhóis, mas foram Chelsea e Manchester City que demonstraram real interesse, inclusive fazendo propostas altas por seu passe. A última que se teve notícia foram de 60 milhões de euros, segundo o Lance!, do time treinado por Guardiola, em julho de 2016, mas teve a transferência negada pela diretoria da Juventus.

“Negar ao Barcelona e ao Manchester City não foi simples. (…) Não foi uma decisão que eu tomei com leveza, porque o interesse veio de Guardiola, um dos técnicos mais importantes do mundo. Mas, no fim, pesou meu coração. Estou feliz na Juventus, quero conquistar títulos na Itália e também na Europa. (…) Dessa maneira e com Allegri, estou certo que podemos conseguir”.

Com ele, todo mundo já sabe, o time venceu novamente o Campeonato Italiano e foi finalista da Liga dos Campeões.

Neste tempo, antes da partida da Juventus frente o Porto, em Portugal, pelas oitavas de final, o jogador foi afastado após uma discussão com o treinador, segundo noticiou o Globoesporte.com. O motivo exato não foi revelado, mas o anuncio da ausência do atleta foi dada pelo próprio Allegri em coletiva:

“Bonucci vai ficar na tribuna amanhã (quarta). É uma decisão justificada, por respeito ao time, aos torcedores e ao clube. Assunto encerrado. É uma decisão minha e eu comuniquei o clube. Bonucci entendeu porque é um rapaz inteligente e é importante para Juve”.

A relação desmorona

Depois deste episódio, por mais que Bonucci e Allegri dissessem que nada demais havia acontecido, que toda a situação estava superada, é inegável, vendo o resultado agora, que sempre houve, no mínimo, uma mágoa entre as partes.

Segundo noticiaram alguns veículos, a relação acabou na final da Liga dos Campeões, no intervalo da partida, que estava em 1×1. Segundo o La Stampa, divulgado por outros jonais, como o Il Napolista, Bonucci, acompanhado de Daniel Alves, teria criticado – e talvez agredido – o atacante Dybala pelo seu mal desempenho na partida. Segundo o zagueiro, o argentino demonstrava apatia, prejudicando a equipe. No entanto, Barzagli teria defendido o jovem, agravando a discussão entre os jogadores. O resultado na volta, podemos lembrar, foram mais 3 gols do Real Madrid e a perda do título europeu pela segunda vez em 3 anos.

Realmente Dybala esteve muito abaixo de suas qualidades naquele jogo, sendo um dos piores da partida. Mas este foi um sintoma de toda a equipe. Foi evidente a mudança de postura do primeiro para o segundo tempo. Provavelmente culminada pela crise no vestiário.

Mas, após a final, nada mais foi dito e acreditava-se que a crise estava resolvida. Até a saída de Daniel Alves.

A negociação com o Milan

Em questão de dias o negócio foi resolvido.

Em um primeiro momento parecia se tratar de uma brincadeira. O Milan declarou interesse no jogador e, de todos os lados, ninguém acreditava na seriedade da situação. O jogador, então, aproveitou este interesse e pediu para sair.

O que se sabe é que o Milan teria oferecido por volta de 40 milhões de euros no atleta, segundo noticiou o site da ESPN Brasil. A proposta ainda envolveu um salário de 7,5 milhões de euros por ano até 2022, mais a faixa de capitão da equipe.

Mas por que o Milan?

A resposta é simples: sua família. Bonucci é um jogador caro. Como podemos ver, além do valor a ser pago, há o alto salário e mais a certificação de que será indispensável na equipe (para tanto a faixa de capitão). Mas o jogador e sua família não queriam deixar a Itália. Como o Milan, após contar com investidores estrangeiros, foi o time com capacidade de suprir as necessidades de Bonucci.

Era o caso, portanto, de rejeitar a proposta do rival e manter um jogador insatisfeito no time, ou vender a um rival e ter, acredita-se, tranquilidade no elenco que permanece. Venceu a segunda opção.

Como fica a Juventus?

Por mais assustadora que seja esta transferência, não é o fim do mundo para a Juventus. É ainda, com sobras, o melhor time italiano e um dos melhores times da Europa. Conta com outro zagueiro do mesmo nível de Bonucci, o vice-capitão Chiellini, bem como 2 jogadores de qualidade comprovada para a posição, Barzagli e Benatia. Tem um jovem promissor que já figura até mesmo na seleção principal, Rugani.

Foto LaPresse – Daniele Badolato

Tem um acordo com o bom Caldara, da Atalanta (mas este só chega na outra temporada, como acertado com o time de Bérgamo). É provável que o time busque mais um jogador para a posição no mercado para garantir a temporada longa, um outro zagueiro mais rodado para, no mínimo, brigar por titularidade.

Mas o que preocupa a torcida é a forma como o jogador saiu. Assim como Daniel Alves, que deixou Turim e foi para o Paris Saint-Germain de forma desgastada (após postagens e críticas ao clube, declarações controversas, como noticiou o Zero Hora), outro jogador importante sair brigado liga o sinal de alerta.

De toda forma, o time deve continuar forte nas competições que entrar. Com alguns bons reforços já garantidos, como a chegada do brasileiro Douglas Costa, deve, acima de tudo, se acertar com os jogadores que já estão no elenco e evitar novos problemas. Cabe a Allegri mostrar que é capaz de controlar seus jogadores e manter sua confiança.

O retorno do Milan

Por outro lado, com a chegada de Bonucci para a defesa, o Milan volta ao patamar de grandeza que vinha abandonando. Os Rossoneros já contrataram quase um time completo, e não deve parar por aí. É quando um time completo. Além disso, conseguiu renovar o contrato de sua principal estrela por um período complicado, o jovem goleiro Donnaruma.

Além de Bonucci, A defesa foi completamente refeita, com as chegadas de dos laterais Conti e Ricardo Rodriguez e do zagueiro Musacchio. O meio campo recebeu também atletas de muita qualidade técnica, como o volante Kessié e o meia Çalhanoğlu. Já o ataque conta agora com um dos centroavantes mais promissores do futebol mundial, André Silva, além de Borini para compor o elenco.

Assim que se acertar sob o comando do bom e promissor treinador Vincenzo Montella, tem tudo para voltar à Liga dos campeões depois de 5 anos. O clube é o segundo maior vencedor europeu, com 7 títulos, atrás somente do Real Madrid.

Enfim, vida que segue

Os dois maiores clubes italianos, Juventus e Milan, não de hoje, costumam ter boa relação em negociações. Vários jogadores já saíram de um time rumo ao outro, transcendendo a questão da grande rivalidade. Mas mais interessante, como constata o QuattroTratti, que Bonucci é o 11º atleta a vestir a camisa não só dos dois clubes envolvidos nesta negociação, mas também da Internazionale.

Podemos perceber que a transferência de Bonucci fará mais diferença para o Milan do que para a Juventus. O time de Milão tem muito mais a ganhar do que o time de Turim tem a perder. Mas não deixa de ser uma situação desagradável para os bianconeri.

Comentários

Natural de Belo Horizonte. Torcedor do Cruzeiro e da Juventus. Um Doente por Futebol. Desde pequeno um apreciador do esporte mais popular do mundo, preferindo mais em acompanhar do que jogar (principalmente por não ter talento algum com a bola).