Van Dijk no Southampton: uma história próxima do fim

Há duas temporadas, o Southampton concretizou a negociação que trouxe, vindo do Celtic, o zagueiro holandês Virgil van Dijk ao St. Mary Stadium. Naquele momento, o grandalhão chegava para substituir Toby Alderweireld, que atuou no clube por empréstimo e, ao final dele, foi negociado com o Tottenham. Como qualquer contratação vinda de um mercado alternativo, como é o caso do escocês, havia riscos, mas o acerto se demonstrou rapidamente — como havia sido anteriormente com Victor Wanyama e Fraser Forster.

Evolução e reconhecimento

Seu 1,93m revelou um beque intransponível pelo ar. Em 2015/16, saiu vencedor de 73% das disputas áreas em que entrou; em 2016/17 o patamar subiu para 75%. A despeito disso, o holandês também revelou enorme aptidão para trabalhar a bola no solo, como indicam percentuais superiores a 84,2% de acerto de passes no último ano, média de 1,9 desarmes por partida e 2,6 interceptações. Assim se confirmou um dos melhores zagueiros de toda a Premier League; jogando com firmeza e categoria.

Foto: Southamptonfc.com

Nesse período, atuou em composições defensivas com dois e três zagueiros e chegou a capitanear a equipe. Sua ascensão na Inglaterra foi rapidíssima e o jogador ganhou status de referência. Seu único contratempo, esportivamente falando, foi uma lesão que o tirou da parte final da temporada recém-finda. Foi também durante esse tempo que ganhou suas primeiras oportunidades na Seleção Holandesa, tornando-se, em via de consequência, selecionável regular.

Assim, desde os primeiros seis meses de vida em Southampton, o defensor vive sendo especulado em equipes economicamente mais poderosas do que os Saints. Nada muito diferente do que tem sido padrão no clube, que encontra boas alternativas no mercado, desenvolve-as e, após, as negocia por valores muito elevados. Contudo, as janelas de transferências foram passando em sucessão e o zagueiro acabou permanecendo na equipe até o presente momento, o que não deve perdurar por muito tempo.

Imbróglio envolvendo o Liverpool

No começo da janela de transferências europeias que se encontra aberta, o beque chegou a estar perto de firmar pelo Liverpool, mas os Reds foram acusados pelos Saints de aliciar o jogador e manifestaram, publicamente, seu pesar com a forma como a imprensa trabalhou a questão, afirmando que, a partir daquele momento, seria inexistente qualquer interesse de sua parte e se desculpando com o Southampton. Entretanto, a “novela” que ali se iniciou foi ganhando capítulos.

Ruptura brusca

“Van Dijk já não se encontra satisfeito no clube”. O que era mera especulação ganhou ares oficiais no início de agosto, com o jogador entregando à direção dos alvirrubros um requerimento de transferência. Embora tenha contrato com os Saints até o final da temporada 2021/22, já não tem mais interesse de permanecer, sob as justificativas de “ambição” e alegações de que isso vem sendo conversado com a direção do clube há tempos.

Foto: Southamptonfc.com

“Sou incrivelmente ambicioso […] Quero jogar futebol europeu novamente e lutar por grandes títulos. Assim, gostaria que o Southampton considerasse o interesse de grandes clubes em mim, que ainda existe. A posição do clube, de que não estou à venda, me deixou frustrado”, revelou o jogador, conforme noticiou o Guardian.

À época da controvérsia que envolveu o Liverpool, as cifras especuladas na negociação pelo zagueiro estavam chegando ao patamar dos £60 milhões. O valor de eventual transferência deve rondar essa quantia e o certo é que se noticiam os interesses dos Reds e de Chelsea e Manchester City em sua contratação.

Em rota de colisão com o Southampton, é muito difícil imaginar que van Dijk siga no St. Mary Stadium. A situação alcançou níveis demasiado elevados de desgaste; o desconforto de ambas as partes é patente. Em termos práticos o que isso significa? Duas coisas: cofres cheios e necessidade urgente de reforços, até porque o clube já havia perdido o português José Fonte, na última janela de transferências do inverno europeu.

Redução de danos

Para o setor, já foi contratado o jovem Jan Bednarek, de 21 anos e que representa a Seleção Polonesa Sub-21. Parece pouco. Além dele, chegou apenas o volante Mario Lemina, ex-Juventus. O lado bom é que a única baixa representativa para o time foi a saída do atacante Jay Rodríguez. Após se recuperar de contusões, este não voltou ao nível exibido antes de ser acometido por problemas de ordem médica.

Foto: Southamptonfc.com

No entanto, é indiscutível o fato de que van Dijk é hoje o melhor e o mais valorizado jogador da equipe. O clube sabe disso. Ainda assim, sua permanência já não parece saudável para as partes. Para o Southampton, é hora de tentar fazer de uma negociação o mais rentável possível. Para o jogador, é o momento de dar o salto de qualidade; o timing pede mudança para uma equipe que dispute títulos nacionais e continentais, ainda que a forma como a situação vem se desenrolando esteja longe da ideal.

Comentários

Advogado graduado pela PUC Minas, pós-graduando em Direito Desportivo e Negócios do Esporte, 24 anos. Admito minha preferência pelo futebol bretão, mas aprecio o esférico rolado qualquer terra. Desde a infância, tenho no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; o melhor jogador que vi jogar foi o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Estou também no "O Futebólogo", meu blog, e no "Bundesliga Brasil".