CAF Champions League 2017: Wydad Casablanca x Al-Ahly; a grande decisão!

  • por Rogério Bibiano
  • 20 Dias atrás

A Liga dos Campeões da África, ou CAF Champions League, conhecerá neste sábado (4) seu grande campeão. Wydad Casablanca (Marrocos) e Al-Ahly Cairo (Egito) decidem em Casablanca a principal competição interclubes da África, que dá uma vaga no Mundial Interclubes Fifa, que será disputado em dezembro, nos Emirados Árabes Unidos. Confira abaixo, um resumo dos principais acontecimentos do interclubes africano, até mais esta decisão.

Novidades na competição

Neste ano, a Liga dos Campeões da África teve uma mudança na sua fórmula de disputa. Ao invés de três fases eliminatórias, tivemos duas e pela primeira vez, a fase de grupos contou com 16 equipes, divididas em quatro grupos com quatro clubes cada, que jogaram entre si em turno e returno, dentro dos seus respectivos grupos, classificando-se os dois primeiros colocados para as quartas-de-final.

Assim, em tese, a fase de grupos conta com as maiores forças do continente. A grande surpresa, foi a desclassificação do tradicional TP Mazembe (República Democrática do Congo), um dos grandes do Continente africano, que foi eliminado em casa pelo CAPS United (Zimbábue), após empate sem gols em Harare e empate em um gol atuando em casa, sendo eliminado pelo gol qualificado.

Na fase de grupos, domínio da África Árabe

Na fase de grupos, o grupo A era formado por Étoile du Sahel (Tunísia), Ferroviário da Beira (Moçambique), Al-Merrikh e Al-Hilal (Sudão). Com os tunisianos do Étoile du Sahel sobrando na primeira colocação, a segunda vaga acabou “caindo no colo” dos moçambicanos do Ferroviário. Tudo porquê, o governo do Sudão intercedeu diretamente na Federação Sudanesa de Futebol; a Fifa, devido esta situação, suspendeu os sudaneses no dia 7 de julho e desta feita, os tradicionais clubes Al-Hilal e Al-Merrikh perderam, os pontos da rodada disputada neste dia e consequentemente a vaga às quartas de final.

Com campanha tranquila, os tunisianos do Étoile du Sahel avançaram em primeiro (foto: reprodução/Facebook)

No grupo B, estavam USM Alger (Argélia), Al-Ahli Trípoli (Líbia), Zamalek (Egito) e CAPS United (Zimbábue). Os argelinos passaram em primeiro. Demonstrando o mesmo espírito guerreiro da sua seleção, os líbios do Al-Ahli passaram em segundo lugar. Certamente a grande decepção foram os egípcios do Zamalek, um dos maiores clubes do continente africano ficou pelo caminho com uma campanha decepcionante pelo elenco disponível.

Mouaidi Allafi, um dos destaques do valente time líbio (foto: reprodução/Facebook/CAF)

Espérance de Tunis (Tunísia), Mamelodi Sundows (África do Sul), Saint George (Etiópia) e AS Vita Club (República Democrática do Congo), compunham o grupo C, que teve os tunisianos do Espérance em primeiro, seguido pelos sul-africanos, atuais campeões continentais, na segunda colocação; numa chave amplamente dominada pelas duas equipes.

Um dos maiores clubes do continente, o Espérance passou com tranquilidade (foto: reprodução/Facebook/Espérance)

O grupo D era composto por Wydad Casablanca (Marrocos), Al-Ahly Cairo (Egito), Zanaco (Zâmbia) e Coton Sport (Camarões). Com exceção dos camaroneses, que não conquistaram um ponto no grupo, as demais equipes lutaram até a última rodada por um lugar nas quartas de final. Coube aos marroquinos avançarem na liderança e ao tradicional Al-Ahly, maior campeão africano, passar na segunda colocação.

Na fase de grupos, Wydad x Al-Ahly fizeram uma prévia do que seria a decisão da Liga (foto: reprodução/Facebook/CAF)

Dos oito classificados para as quartas de final, apenas Mamelodi Sundows (África do Sul) e Ferroviário da Beira (Moçambique), não fazem parte da chamada África Árabe, num claro reflexo do poderio financeiro dos clubes do norte africano, que resulta em grande estrutura de trabalho, bons salários e claro, todos estes itens podem explicar, o grande sucesso destas equipes.

Nas quartas de final, a África Árabe mostra mais ainda a sua força

As quartas de final seguiram com amplo domínio dos clubes da África Árabe, que confirmaram quatro representantes nas semifinais. A fase foi marcada pelo amplo equilíbrio nos jogos.

O Al-Ahli Tripoli (Líbia) foi eliminado pelo Étoile du Sahel, após empatar sem gols atuando como mandante. No jogo de volta, os líbios não resistiram a força tunisiana e foram derrotados pelo placar de 2×0 (veja os gols abaixo), em dia de Amr Marey, autor dos dois gols da classificação do Étoile du Sahel.

No outro jogo, um clássico africano com duas equipes que já decidiram a Liga: Al-Ahly Cairo versus Espérance de Tunis. No jogo de ida, em Alexandria, diante de 25 mil fanáticos torcedores, um empate em 2×2. No jogo de volta, diante de 40 mil torcedores, em Radès, os tunisianos saíram na frente, mas o time egípcio, maior campeão de clubes do continente, mesmo jogando fora de casa, mostrou porque sempre deve ser respeitado e virou o jogo, 2×1, conquistando (mais uma) heroica classificação (confira no vídeo abaixo).

Valente, o Ferroviário da Beira recebeu em Moçambique, os argelinos do USM Alger e empataram em 1×1. No jogo de volta, em Algiers (Argélia), os moçambicanos seguraram o empate, jogando defensivamente e quase fizeram no final do jogo, que terminou empatado em 0x0. Entretanto os argelinos, francos favoritos neste duelo, asseguraram a vaga devido o gol qualificado que fizeram fora de casa.

Darfalou (13), do USM Alger, disputa com Abraão Cufa (26) do Ferroviário (foto: reprodução/Facebook/CAF)

No derradeiro duelo das quartas de final, o Mamelodi Sundows, atual campeão africano, enfrentou os marroquinos do Wydad Casablanca. Em Pretória (África do Sul), os sul-africanos venceram por 1×0, gol do marfinense Yannik Zakri. No jogo de volta, Salaheddine Said fez o único gol dos donos da casa (veja no vídeo abaixo), levando a decisão da vaga para os pênaltis. Nas cobranças, o Wydad venceu por 3×2, garantindo vaga nas semifinais (acompanhe no vídeo abaixo, como foi a disputa).

Nas semifinais, melhor para marroquinos e egípcios!

No confronto que envolveu Wydad Casablanca e USM Alger, melhor para os marroquinos, que no jogo de ida, na Argélia, conseguiram segurar o ímpeto dos argelinos, empatando sem gols. Já no jogo de volta, a equipe vermelha de Casablanca, garantiu classificação para sua terceira final da competição, buscando repetir o feito de 1992, quando conquistaram a Liga dos Campeões da África, ao vencerem por 3×1, em dia inspirado de Achraf Bencharki, autor de dois gols (confira no vídeo abaixo).

Na outra semifinal, o Al-Ahly Cairo visitou a tradicional equipe tunisiana do Étoile du Sahel. Diante de 22 mil apaixonados torcedores, os tunisianos levaram a melhor, 2×1, com gols de Alaya Brigui e Mohamed Ben Amor para o Étoile e do experiente Saleh Gomaa para os egípcios (veja abaixo os gols).

No jogo de volta, em Alexandria (região metropolitana da capital do Egito, Cairo), o Al-Ahly, empurrado por 50 mil fanáticos torcedores, numa de suas maiores atuações na história da CAF Champions League, reverteu com estilo a vantagem tunisiana, ao golear por 6×2 o Étoile du Sahel, tornado-se assim, nesta edição da Liga, o “carrasco” dos tunisianos (confira como foi a goleada, abaixo).

No primeiro jogo da final, tudo igual!

No domingo passado (28), tivemos o primeiro jogo da final da CAF Champions League 2017. No Borg El Arab Stadium, em Alexandria; o Al-Ahly Cairo, em sua décima primeira final, buscando seu nono título continental, recebeu, o Wydad Casablanca, em sua terceira final, buscando sua segunda conquista.

Com a bola rolando, logo aos três minutos de jogo, rápida troca de passes egípcia e Moamen Zakaria dominou levantando a bola para acertar um lindo chute, sem nenhuma chance para o goleiro marroquino Zouheir Laâroubi, abrindo o placar para o Al-Ahly.

Empurrado pela torcida, a equipe vermelha do Cairo quase marcou o segundo com o veloz Walid Azaro, que chegou dividindo com a defesa marroquina e acertou a trave. O Wydad sentia a pressão e errava na saída de bola e num destes erros, quase viu o nigeriano Junior Ajayi marcar o segundo em arremate de fora da área que assustou Laâroubi.

Azaro (12), teve a chance de “matar” o jogo, mas parou na trave (foto: reprodução/Facebook/CAF)

A resposta marroquina entretanto, foi letal; bola lançada nas costas da defesa egípcia e o veloz Mohamed Ounajem, pela direita cruzou na medida para o artilheiro Achraf Bencharki tocar de cabeça para o fundo do gol de Sherif Ekramy, que nada pode fazer, a não ser ver o empate, aos 16 minutos de jogo.

O gol não abalou o Al-Ahly, que seguiu pressionando e numa grande oportunidade criada, Moamen Zakaria parou cara a cara, no ótimo goleiro Laâroubi. Na segunda etapa, os Diabos Vermelhos do Cairo seguiram pressionando e parando na defensiva dos marroquinos, que conseguiu suportar a pressão e levar grande vantagem para o jogo da volta.

Decisão é em Casablanca!

Neste sábado (4), a partir das 18 horas (horário de Brasília) será conhecido o campeão africano de 2017. No Stade Mohamed V, em Casablanca, o Wydad recebe o Al-Ahly Cairo. Por haver marcado gol fora de casa, os marroquinos podem empatar sem gols que conquistam o título. Qualquer outro empate, de dois gols para cima, dá o título aos egípcios. Se houver a repetição de 1×1 no placar, a decisão irá para a prorrogação e consequentemente pênaltis.

Nesta CAF Champions League, ambas as equipes já se enfrentaram antes dos playoffs finais. Durante a fase de grupos, com uma vitória para cada lado, ambas por 2×0. Em 2016, marroquinos e egípcios, também se enfrentaram, na fase de grupos e naquela oportunidade, os egípcios levaram a melhor, empatado no Cairo sem gols e vencendo em Casablanca, por 1×0; entretanto, ficaram de fora das semifinais. Já o Wydad avançou e acabou sendo eliminado por outro clube egípcio, o Zamalek.

O Al-Ahly Cairo terá o retorno de três importantes jogadores para a decisão, os experientes Abdallah El-Said, recuperado de uma lesão leve e Saleh Gomaa, que cumpriu suspensão, além de Hossam Ashour, voltando após recuperar-se de uma contratura muscular. Assim, o treinador Hossam El Badry, deverá contar com o que tem de melhor em seu elenco para a decisão.

O time egípcio costuma jogar num 4-2-3-1, com dois meias mais abertos e um armador mais centralizado. A grande variante tática da equipe vermelha do Cairo, é justamente a infiltração pelo meio destes meias dos flancos, funcionando como elementos surpresas, face o deslocamento da posição do centroavante para o meio, num recuo previamente pensado. Ademais, temos um time muito experiente, certamente o mais copeiro do continente africano; uma equipe que costuma tocar a bola. O destaque da equipe e principal esperança de gols, é o marroquino Walid Azaro, artilheiro do time, com quatro gols e que joga fazendo a função do centroavante avançado, o pivô de referência.

Provável formação do Al-Ahly Cairo para a final

Extremamente forte atuando em casa, o Wydad Casablanca, tem campanha 100% jogando no Stade Mohamed V. Sempre empurrado pela sua fanática torcida, os marroquinos ficaram em terceiro lugar na temporada 2016. Agora, o lado vermelho de Casablanca tem uma grande oportunidade de escrever mais um vitorioso capítulo em sua história.

Hussein Amotta, treinador do Wydad costuma escalar sua equipe no 4-1-4-1, “congestionando” o meio-campo quando o adversário tem a posse de bola e jogando, com muita ligação direta pelos flancos, onde atua praticamente com dois pontas bem abertos, mas que têm a obrigação de fechar a marcação pelo centro de campo. Assim como o Al-Ahly, estes “meias” abertos, costumam jogar infiltrando-se diagonalmente ao ataque, de forma a surpreender a marcação.

Provável formação do Wydad Casablanca na final

Amoutta deverá contar com o retorno do bom zagueiro Amine Atouchi, que cumpriu suspensão automática, no primeiro jogo da final. No jogo da semana passada, no Egito, a imprensa marroquina criticou a postura da equipe, extremamente defensiva. Entretanto, o bom resultado, assim como nas semifinais diante do USM Alger, fora de casa, é o trunfo para rebater as criticas, pelo fraco desempenho com a bola rolando e claro, a força que o time marroquino têm atuando diante do seu torcedor. Autor de cinco gols até aqui, Achraf Bencharki é o grande destaque do time vermelho de Casablanca.

Enfim, a 53ª decisão da CAF Champions League carrega a expectativa de duas grandes torcidas do continente africano, no que certamente será mais uma linda festa do futebol. Com a bola rolando, a expectativa e de ter um jogo de muita marcação, de um lado, o time marroquino, que vive mais uma grande temporada, do outro a camisa mais tradicional do futebol interclubes africano. Ambos já mostraram a sua força, em diversas situações nesta competição.

Comentários

Natural de Telêmaco Borba-PR e criado em meio à "boemia futebolística", com horas de papo sobre futebol, samba e cervejas na pauta. Influência do pai, que também adorava futebol, e da mãe, que sempre apoiou a iniciativa. Técnico em Eletrônica, formado desde 1999, e fanático por futebol, futsal, futebol de praia, society e todo esporte que tenha no futebol a sua essência.