Boca e River: os principais concorrentes dos brasileiros

  • por Michel Corbacho
  • 7 Meses atrás

Detentores de nove Libertadores e quatro mundiais, os maiores clubes argentinos, Boca Juniors e River Plate, buscam voltar a reinar na América do Sul. E são os principais concorrentes dos brasileiros na disputa pelo título da Libertadores 2018.

Historicamente, os dois grandes rivais da capital Buenos Aires chegam entre os favoritos em qualquer competição a se disputar. Afinal, possuem as maiores torcidas no país e os melhores elencos. Na atual temporada e com o principal foco na Libertadores, não será distinto. A dupla argentina mantém o favoritismo para conquistar o título da competição mais importante do continente.

Boca Juniors e a obsessão pela sétima conquista de Libertadores

Para voltar a conquistar a América, o que não acontece desde 2007, o Boca aponta todo seu foco. Daniel Angelici, presidente do clube, prioriza a Libertadores em busca do título que virou “obsessão” para os torcedores.

Reforços xeneizes

O presidente do Boca Juniors abriu os cofres do clube e segue formando um plantel de respeito. Para oferecer mais hierarquia ao elenco, o clube xeneize trouxe nomes que devem fazer a diferença. Carlos Tévez voltou da China para ser o principal jogador do time e capitanear em busca do título.

Tévez volta ao Boca Juniors para a Libertadores 2018 (Foto: bocajuniors.com.ar)

Além de Tévez, o Boca reforça as laterais com Julio Buffarini (ex-São Paulo) e Emmanual Más. Ambos já conquistaram a Libertadores (2014) com o San Lorenzo e conhecem todos os caminhos para a tal. Outro que tem experiência na competição é o atacante Ramón Ábila. Velho desejo de Angelici, o atleta chega contratado para brigar pela titularidade com Darío Benedetto e Walter Bou.

Schelotto ainda quer um jogador de velocidade para o sistema ofensivo. Além de mais um zagueiro com experiência para atuar ao lado de Paolo Goltz. Isso não quer dizer que Lisandro Magallán não siga de maneira satisfatória na equipe titular. Tanto que chama a atenção de alguns clubes da Europa, a exemplo do Ajax, que tenta sua contratação. O apontado para reforçar a defesa de Schelotto é o paraguaio Gustavo Gómez. O atual jogador do Milan, que também desperta interesse do Flamengo, deixa claro para os dirigentes do clube italiano que a sua ideia é vestir a camisa xeneize.

Para romper a linha de defesa adversária, o Boca tenta um jogador de velocidade e com características de enfrentar a marcação. E que também possa atuar pelos lados do campo (principalmente pelo flanco esquerdo). Nicolás Gaitán pode se tornar reforço para esta função que busca o técnico da equipe.

Acima, os prováveis 11 do Boca Juniors. Caso chegue Gaitán, brigará por vagas pelos extremos, com Pavón e Cardona.

River Plate com poder ofensivo invejável

O River também chega forte para a temporada. Marcelo Gallardo renova contrato no comando técnico e segue captando reforços pontuais para suprir as necessidades do elenco.

O presidente Rodolfo D’Onofrio atende aos pedidos de Gallardo e concede ao treinador os reforços pedidos. Após longa negociação, o clube conseguiu adquirir os direitos econômicos e federativos do atacante Lucas Pratto. A negociação foi por 11 milhões de euros, que pode chegar às cifras de 13 milhões; se Pratto jogar mais de 60% dos jogos e de uma possível conquista da Libertadores nos próximos dois anos. É a contratação mais cara da história do River Plate!

Lucas Pratto, a contratação mais cara da história do River Plate (Foto: canchallena.com.ar)

Gallardo ainda conta com o goleiro que sempre requisitou: Franco Armani chega ao clube por 4 milhões de doláres (ex-Atlético Nacional). O experiente goleiro será o titular da equipe millonária. Enfim um arqueiro deve conceder a segurança debaixo dos três paus que Gallardo busca desde a saída de Barovero.

Além dessas aquisições, o River Plate segue próximo de anunciar o atacante Silvio Romero e não desiste de Lucas Zelarayán para reforçar ainda mais o sistema ofensivo da equipe. Além de Pratto, o River conta com nomes interessantes, a exemplos de Scocco, ‘Pity’ Martínez e Ignacio Fernández.

Acima, os prováveis 11 do River Plate. Romero e Zelarayán, se contratados, brigarão por vaga no time titular com Scocco e Ignacio Fernández, respectivamente.

Os gigantes da Argentina chegam com os elencos reforçados e ainda buscam por mais reforços. A edição 2018 promete ser uma das mais acirradas dos últimos anos. Somando investimento financeiro pesado e tradição de camisa, Boca Juniors e River Plate têm tudo para ser os maiores concorrentes dos brasileiros na disputa pela Libertadores 2018.

Comentários

Apaixonado por futebol, em especial, o praticado na América do Sul. Analista de Desempenho no Táticas Bahia, Colunista no Doentes Por Futebol e Comentarista Esportivo na Rádio Football Total. Contato: [email protected]