Tottenham e Juventus foi um clássico para a história

  • por Victor Gandra Quintas
  • 9 Meses atrás

Poucos jogos foram tão emocionantes nesta temporada europeia quanto este jogo entre Tottenham e Juventus. Um confronto que poderia pender para os dois lados, principalmente pelo empate no primeiro jogo, sorriu para a Velha Senhora italiana, que crava seu favoritismo.

O jogo começou com o Tottenham mostrando porque merece ser considerado uma potência atual. A equipe comandada pelo excelente Maurício Pochettino não deixou a Juventus respirar, pressionando o adversário em sua defesa desde o primeiro minuto.

O domínio do Tottenham

Com a defesa juventina afastando tudo, principalmente com Buffon fazendo importantes defesas, os Spurs precisaram de 39 minutos para marcar e colocar um pé nas quartas de final da Liga dos campeões. Son aproveitou cruzamento de Trippier, empurrou para o fundo do gol de Buffon.

O Tottenham é uma equipe com muitos méritos. Tem sido protagonista do futebol inglês há algum tempo. Mesmo diante dos clubes com grande investimento, o time londrino vem fazendo bonito. Mantendo as estrelas como Harry Kane, Eriksen e Dele Alli, o time está a um passo de grandes conquistas.

Não por acaso, o time inglês era tido como favorito a exercer sua dominância, vencer em casa e prosseguir na competição. As odds para uma vitória simples eram de 2,15 na média, contra 3,25 dos visitantes italianos.

Mas do outro lado havia a Juventus. Dona do campeonato italiano já há várias temporadas, e finalista da UCL em duas das últimas três edições, deixou claro porque era a favorita neste confronto. Um primeiro tempo sendo completamente dominada, alterações eram necessárias para tentar equilibrar o confronto. Primeiro a mentalidade, e, depois, trocar peças que fossem necessárias. Assim, 15 minutos após o início do segundo tempo, Asamoah e Lichtsteiner assumem os lugares de Matuidi e Benatia. Menos de 10 minutos depois, a Juventus virava a partida. Quem gosta de apostas de futebol e apostou no peso da tradição da camisa juventina, faturou bem.

A virada da Juventus

Foram lances pontuais. A entrada dos dois jogadores ampliou o campo de jogo da Juventus, permitindo melhor troca de passes. Higuain, aos 61 e Dybala, aos 64, viraram a partida. A Juventus finalizou bem menos do que os ingleses: total de 8 chutes dos italianos – sendo apenas 3 no alvo defendido por Lloris – contra 14 dos Spurs (6 finalizações certas contra a meta de Buffon). Por fim, foi só administrar o resultado, coisa que a equipe italiana sabe bem fazer (além de contar com a sorte, como na bola na trave que quase permitiu o empate inglês).

Lichtsteiner, jogador que chegou a não ser inscrito na primeira fase da Liga dos Campeões, provou que merece a confiança de seu treinador. Dybala, que muitos já acusaram de não ser decisivo, hoje foi importante para a Juventus.

É verdade que houve muitos momentos de confusão, polêmicas de arbitragem que poderiam ter sido evitados. Possíveis pênaltis para cada lado nas duas etapas da partida, entre outras jogadas relevantes. Pena a UEFA não ter o VAR para discutir.

No fim, deu Juventus. Começou dominada, mas se provou capaz de reverter o resultado e conseguir a classificação. Mas mérito também para o Tottenham, que proporcionou uma das melhores experiências para os fãs do futebol.

Comentários

Natural de Belo Horizonte. Torcedor do Cruzeiro e da Juventus. Um Doente por Futebol. Desde pequeno um apreciador do esporte mais popular do mundo, preferindo mais em acompanhar do que jogar (principalmente por não ter talento algum com a bola).