NSE em Manchester: a formação do time de e-sports

  • por Victor Gandra Quintas
  • 12 Dias atrás

Entre os dias 13 e 15 deste mês, em Manchester, na Inglaterra, acontecerá o Mundial de FIFA, torneio de e-sports que conta com grandes jogadores do futebol virtual. E alguns brasileiros, entre eles, os players ViniDigo e o Miguel “SpiderKong“, atletas da NSE, equipe formada em parceria com a Netshoes e a E-Sportflix.

Na prévia do torneio, conversamos com Macelo Fadul (à esquerda na foto), fundador diretor do E-Sportflix.

Como tudo começou

“Para falar da criação da NSE, é necessário dizer antes o pioneirismo e sucesso que tivemos com a equipe E-SportFlix. Criada em dezembro de 2016, havíamos fechado contrato com o atleta Rodrigo “D1g0” Araújo (hoje na NSE) e Rafael “Rafifa” Fortes (hoje no PSG).
A E-SportFlix, como equipe, sempre teve o apoio da Netshoes como patrocinador máster desde seu surgimento. A camisa amarela e preta é fácil de se encontrar nas mídias após vitória da primeira competição oficial nas Américas pelo atleta Rafifa, e na sequencia sua badalada transferência da E-SportFlix para o Paris Saint-Germain.

Ao tratemos da renovação do patrocínio com a Netshoes, a empresa buscou mais. Decidiu incorporar para o seu planejamento estratégico o e-sport e consequentemente a equipe E-SporFlix como um todo, não mais apenas como patrocinador. Com acerto comercial entre a E-SportFlix e Netshoes, surge a Netshoes E-Sports – NSE, que conta hoje com oito atletas autônomos do jogo EA SPORTS FIFA sob a gerência harmônica de ambas as empresas. Desde a fundação, a NSE sempre participa massivamente das competições oficiais e não oficiais de EA SPORT FIFA.”

Dificuldades

“Primeiro é importante entender que são atletas autônomos, treinam entre si, mas a competição e jogos não são coletivos e, inclusive, é muito comum que se enfrentem em competições. Surge aí uma das grandes dificuldades: decisões tomadas podem ser tradas como equivocadas para um atleta e assertivas para outro. Tal situação impacta muito em conflito de egos entre estes jovens que só agora lidam com o cenário competitivo corporativista, pois no cenário competitivo desportivo muitos deles já estão acostumados.

No começo havíamos entendido que a motivação passava por iniciar um projeto pioneiro no Brasil. Poder agrupar estes atletas a uma equipe de renome que poderia dar suporte, trabalhar melhor a imagem e colocação em mídias, bem como eventos com influencers para agregar mais a um portfólio e experiência profissional em seus perfis.”

Motivação

Hoje entendemos que alguns estão mais inclinados em dedicar a vida profissional ao jogo. Sendo assim naturalmente a motivação deles provém por estímulos maiores no quesito financeiro e estrutural. O que é importante entender que eles constroem a sua própria carreira por se tratar de um modo jogo “1×1″. Então nada mais motivador que sempre buscarem o melhor desempenho técnico, conquistas, premiações, entre outros fatores desportivos. Eles moldam o próprio futuro, demonstrando bom desempenho combinado com carisma, pró-atividade e disciplina é a mistura perfeita a impulsionar suas carreiras em longo prazo.

A NSE é uma equipe de poucos meses de existência, e mesmo assim proporciona, dentro dos seus limites, o melhor suporte a um atleta autônomo de FIFA no Brasil. Basta ver a motivação orgânica que obtivemos dos participantes da Copa Netshoes que vieram de toda parte do Brasil em busca de duas vagas na equipe.

E internamente tratamos como referenciais as equipes Europeias (tanto as tradicionais de futebol como específicas do e-sport) que atuam no mercado há muito mais tempo. Almejamos a médio prazo nos equipararmos no quesito estrutural e contratual e poder oferecer, por consequência exigir, mais dos atletas envolvidos no nosso projeto.

Marcelo Fadul e o youtuber CrocodilloGames, paceiro na E-Sportflix.

Comentários

Natural de Belo Horizonte. Torcedor do Cruzeiro e da Juventus. Um Doente por Futebol. Desde pequeno um apreciador do esporte mais popular do mundo, preferindo mais em acompanhar do que jogar (principalmente por não ter talento algum com a bola).