O Grande Otero

  • por Victor Gandra Quintas
  • 5 Meses atrás

É inevitável fazer o trocadilho com o nome do grande artista brasileiro Grande Otelo. A semelhança no nome, entretanto, pode se estender à forma poética como o meia-atacante atleticano trata a bola. Em um país que teve inúmeras estrelas tanto nas artes como no futebol, o venezuelano tem deixado o publico impressionado com sua maestria.

A excelente partida de Otero diante do Cruzeiro, no clássico da final do Campeonato Mineiro, demostra a qualidade que o atleta tem. Foram três em assistências para os três gols do time. Otero faz parecer fácil o toque de bola, facilitando o trabalho dos companheiros.

Foto: Pedro Souza / Atlético

A principal característica do passe de Otero é a imprevisibilidade. A forma como o jogador toca na bola propõe um jogo perigoso aos adversários, que não conseguem antever onde a bola vai chegar. Tanto que, se revermos os três gols do galo no clássico, Otero agiu de forma diferente, confundindo a defesa do Cruzeiro. O jogador pode chutar forte, posicionado, com a perna direita, com a perna esquerda, sabe virar o jogo, bola parada e bola rolando. Não importa, se Otero tiver a bola, terá perigo ao gol adversário.

Para tanto, no primeiro gol, uma falta do lado direito, Otero colocou a bola “com a mão” na segunda trave, na cabeça de Ricardo Oliveira. Bateu com o pé direito exatamente onde queria. O segundo gol, Otero bate escanteio do lado direito do ataque, com o pé esquerdo. Um lance fechado, “escorado” por Adilson, a bola passa no canto do goleiro Fábio. Por fim, fechando a excelente atuação, Otero estava do lado esquerdo em sentido à linha de fundo, cortando para dentro e cruzando com o pé direito novamente na cabeça do centroavante alvinegro.

 

O diferencial alvinegro

Otero tem sido um grande diferencial do time de Thiago Larghi, treinador interino do Atlético. O atleta é o líder de assistência do Brasil atualmente. São nove neste ano, ultrapassando Vinícius do Bahia, com oito. O time do Atlético passou por dificuldades neste inicio do ano, com Oswaldo de Oliveira sendo demitido pela má fase. Mas Thiago parece ter encontrado um bom sistema, sendo coroado pela boa atuação frente ao seu maior rival.

O Atlético ainda conta com bons jogadores como Adilson ou Luan. Alguns líderes experientes como Victor, Leonardo Silva, Elias e Ricardo Oliveira. Somando-se a eles as excelentes atuações de Otero, Larghi merece ser efetivado no cargo de treinador.

Foto: Pedro Souza / Atlético

Um jogador como Otero é raro no futebol brasileiro. Não é um atleta driblador, mas tem boa visão de jogo e sabe tirar proveito do posicionamento dos colegas. Com 25 anos, Otero pode evoluir e se tornar um jogador melhor. Para isso ainda conta com conselhos de uma lenda como Éder Aleixo.

Seja você torcedor de qualquer time, pode admirar o que este jogador tem feito, um passe raro em meio ao futebol brasileiro.

Comentários

Natural de Belo Horizonte. Torcedor do Cruzeiro e da Juventus. Um Doente por Futebol. Desde pequeno um apreciador do esporte mais popular do mundo, preferindo mais em acompanhar do que jogar (principalmente por não ter talento algum com a bola).