Em meio ao caos, o brilho de Bruno Fernandes

O final de temporada do Sporting foi marcado por uma turbulência de proporções difíceis de mensurar. Polêmicas envolvendo o presidente Bruno de Carvalho, agressão a jogadores no centro de treinamento, perda da Taça de Portugal para o modesto Aves… Foram muitos os problemas vividos pelo time que no início da temporada se projetava candidato ao título nacional e fazia boas partidas na Liga dos Campeões. Apesar disso, o saldo final da campanha carrega consigo notas positivas. Talvez a principal seja o bom desempenho de Bruno Fernandes.

Aposta acertada

Ao final da temporada 21016/17, o clube lisboeta se encontrava com problemas. Para além das especulações que não se confirmaram a respeito de uma possível saída de William Carvalho, era sabido que mais cedo ou mais tarde o capitão Adrien Silva deixaria o estádio José Alvalade. A perda do selecionável meio-campista lusitano seria dura. Sabia-se que não seria fácil encontrar um substituto que estivesse a altura.

A resposta veio da Itália, mas em bom português. Cria do Boavista, mas profissionalizado no Novara, já na Bota, o meia Bruno Fernandes, de 23 anos, foi contratado junto à Sampdoria, depois de também passar pela Udinese. Tratava-se, entretanto, de uma aposta. O atual camisa 8 sportinguista não era titular absoluto na Samp e ainda não havia chegado à seleção portuguesa principal.

Foto: Sporting.pt

Mas a contratação também não representava um risco desmedido. Bruno vinha de um histórico respeitável nas equipes de base de seu país e havia demonstrado versatilidade (podendo atuar em várias posições na meia-cancha). Também anotara cinco tentos no último campeonato italiano que disputou. Sobretudo, precisava de um clube para se afirmar e desenvolver seu falado potencial.

O casamento do meia com o Sporting foi perfeito. Adrien, de fato, partiu para o Leicester City e uma vaga se abriu no time sportinguista. Em jogos menos exigentes, Bruno foi segundo homem de meio-campo. Nos jogos mais duros, atuou mais adiantado — o volante argentino Rodrigo Battaglia ingressando na vaga de um atacante, normalmente. Foi assim que começou a reconstruir sua reputação. O jogador talentoso, mas muitas vezes apático, despertou.

Muitas assistências e chutes a gol

Com o suporte de William e a parceria de Marcos Acuña, pela esquerda, e Gelson Martins, na direita, Fernandes passou a ser um jogador influente. A construção da maior parte das jogadas dos Leões, passando por seus pés (isso quando não finalizadas pelo próprio). O 8 pode até não ter se mostrado um passador muito preciso — suas médias de aproveitamento de passes foram de 75% no campeonato português, 79,4% na Liga dos Campeões e 79,9% na Liga Europa —, mas isso tem explicação.

Foto: Sporting.pt

Bruno Fernandes foi, de longe, o atleta que mais criou oportunidades de gol para o Sporting em 2017/18. Na Liga NOS, distribuiu uma média 2,2 passes-chave por jogo, e alcançou oito assistências, em 33 jogos. Na Liga dos Campeões e na Liga Europa, os números voltam a se confirmar. Na primeira competição foram 1,7 tentativas de assistência e uma completada; na segunda 3,7 e três, novamente os melhores números do time.

Isso quer dizer que: Bruno Fernandes não tem um acerto de passes tão elogiável quanto, por exemplo, o de William (88,2% no português), porque tenta passes de alto risco. É assim que também alcança a liderança nas estatísticas de assistências.

Não é só isso. O meia também foi o maior finalizador da equipe. No campeonato nacional chutou uma média de 2,8 bolas ao gol, por encontro, na Liga dos Campeões três e na Liga Europa quatro. Disso resultaram também seus 16 tentos, em 51 jogos. Outra marca expressiva. É difícil contestar o fato de que Bruno fez uma temporada formidável. Aliás, ele ainda foi eleito para o time do ano da Liga Europa.

“O Bruno Fernandes é um jogador com tanta qualidade que pode pôr o treinador a pensar. O rendimento dele é tão alto numa posição como noutra e para mim a decisão tem muito a ver com o resultado, com a forma como o adversário defende. Isto é uma mais-valia. Apresenta uma qualidade tática impressionante para a idade que tem e isso faz com que seja, na minha opinião, o médio mais valioso do campeonato português”, disse o treinador Jorge Jesus antes da partida contra o Portimonense, em abril último.

Valorização e Copa do Mundo

O prêmio pelo grande desempenho acabou sendo uma sequência na seleção portuguesa e a consequente convocação para a disputa da Copa do Mundo. Segundo o Transfermarkt, site especializado na avaliação do valor de mercado de jogadores de futebol, em uma temporada, a avaliação do meia saiu dos €7,5 milhões para os €20 milhões. O Sporting pagou aproximadamente €10 milhões por seus serviços. Valeu a pena?

Foto: FPF

Diante de tamanho desempenho e, sobretudo, a incerteza que paira sob o estádio José Alvalade, o futuro do clube é incerto. A situação do presidente é insustentável e Jorge Jesus, o treinador, deixará a equipe. Outros jogadores podem acabar tomando o mesmo caminho e não é difícil imaginar que um atleta que obteve um desempenho tão bom quanto o de Bruno Fernandes possa ser negociado. Clubes ingleses como Liverpool e Chelsea já demonstraram interesse no português.

Entretanto, no momento, todo o foco do jogador está na Rússia, na disputa de seu primeiro Mundial. Suas qualidades poderão ter muita utilidade para o treinador Fernando Santos. Mesmo porque, exceção feita a João Mário, ninguém é capaz de exercer tantas funções no meio-campo quanto Bruno. Em uma temporada, ele deixou de ser uma boa aposta e mostrou a consistência de um grande meia.

Comentários

Advogado graduado pela PUC Minas, mestrando em Ciências da Comunicação (Universidade do Minho), 25 anos. Admito minha preferência pelo futebol bretão, mas aprecio o esférico rolado qualquer terra. Desde a infância, tenho no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; o melhor jogador que vi jogar foi o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Estou também no O Futebólogo e na Revista Relvado.