Questionado, mas ainda assim favorito, Brasil pega a República Tcheca fora de casa; vencer antes da convocação para a Copa América é fundamental

Seleção vem de um empate fraco com o Panamá em Portugal

A temporada de 2019 da Seleção Brasileira não começou boa, não. Quem imaginaria que empataríamos em 1 a 1 com o Panamá? Acho que ninguém, não é mesmo? Além do placar decepcionante, a falta de atitude dos comandados do Tite desagradou muito. Agora, na terça-feira, 26 de março, às 16h45, horário de Brasília, na Eden Arena, os canarinhos terão a oportunidade de tirar a impressão ruim deixada no primeiro jogo do ano. O encontro vai ser contra a República Tcheca, na cidade de Praga. Jogar contra equipe europeias é algo que a imprensa sempre cobrou muito da CBF. Veja como lucrar uma grana nas apostas, com as cotas do SpinSports.

O jogo desta semana tem uma importância bem maior não só por conta da necessidade de apresentar um bom futebol. Será o último duelo antes da estreia na Copa América, dia 16 de junho, contra a Bolívia, no Morumbi, em São Paulo. Isso quer dizer que é uma oportunidade imensa para alguns atletas mostrarem o porquê podem estar na lista final de convocados.

Tite já afirmou que irá fazer seis alterações em relação ao último jogo. A equipe vai ser formada por: Alisson, Danilo, Marquinhos, Thiago Silva e Alex Sandro; Casemiro; Allan, Coutinho, Paquetá e Richarlison; Firmino. Para você ter melhor das mudanças, os 11 iniciais no Estádio do Dragão, no Porto, em Portugal, foram: Ederson; Fagner, Militão, Miranda e Alex Telles; Casemiro; Arthur, Paquetá, Coutinho e Richarlison; Firmino.

Em conversa com os jornalistas, o treinador falou sobre a recente apresentação: “Todas as críticas que têm caráter técnico, tático, físico e emocional eu não tenho que contrapor. São pontos de vista, visões, óticas, a gente tem que saber conviver com isso.”

Capitão e volante do Real Madrid, Casemiro afirmou que a seleção está em fase de mudança. “Estamos num processo de renovação ainda. Estão vindo jogadores novos. O professor está dando oportunidade para todos. Tenho certeza que o torcedor brasileiro quer que o Brasil jogue bem. Que o Brasil faça o que fez nas eliminatórias e na Copa. Se ganhar ou perder é uma outra consequência. O importante é jogar bem. Fazer o melhor e querer jogar bem sempre.”

O Brasil não perde uma partida desde as quartas de final da Copa do Mundo da Rússia, quando caiu para a Bélgica, que nos venceu por 2 a 1. De lá para cá, em 7 jogos, fizemos 6 resultados positivos consecutivos e 1 empate. Interessante ressaltar também que marcamos 13 gols e sofremos apenas 1. Números sensacionais, porém isso não quer dizer que estamos convencendo dentro de campo. De acordo com o Oddsshark.com, os sul-americanos pagam R$ 1,34 a cada R$ 1,00 investido por você.

República Tcheca

O tchecos não são um terço do que foram dentro campo na época da antiga e extinta Tchecoslováquia. O atual momento dos europeus não é muito empolgante. Na sexta-feira, a República Tcheca encarou a Inglaterra em Wembley, na capital Londres, na estreia das Eliminatórias da Eurocopa de 2020. Fora de casa, os visitantes foram facilmente superados e goleados por 5 a 0.

Fora de casa, o retrospecto recente dos tchecos nos últimos 5 compromissos foram 3 triunfos e 2 reveses. Os seus dois principais jogadores que podemos destacar são: o atacante Patrik Schick, da Roma, da Itália, e Gebre Selassie, Werder Bremen, da Alemanha.

A última vez que a República Tcheca duelou com nós, brasileiros, foi em 1997, na Copa das Confederações da Arábia Saudita. Na ocasião, vencemos por 2 a 0. Caso os representantes da Europa consigam vencer, eles rendem a sensacional cota de R$ 8,50, ainda conforme o Oddsshark.com.

Outras opções de apostas

Olha, tenha certeza de que teremos um jogo bastante disputado e físico, que é um das características do nosso oponente. Tem aquilo que o Galvão Bueno sempre fala: “Todo mundo quer ganhar do Brasil”. Isso já é um fator grande de motivação, ainda mais para quem vai estar diante de sua torcida em um estádio cheio.

Se os brasileiros vencerem por apenas 1 a 0, a cota de retorno será de R$ 5,00, enquanto que a possibilidade de as duas seleções balançarem as redes gera R$ 2,35 para 1. Um novo empate, independentemente do placar, está estimado em R$ 4,80.

Confira alguns jogos de seleções desta terça-feira:

8h00 – Coreia do Sul (R$ 3,20) x (R$ 2,30) Colômbia. Empate: R$ 3,15

16h00 – Marrocos (R$ 3,25) x (R$ 2,25) Argentina. Empate: R$ 3,25

16h45 – República Tcheca (R$ 8,75) x (R$ 1,34) Brasil. Empate: R$ 4,80

16h45 – Itália (R$ 1,04) x (R$ 45,75) Liechtenstein. Empate: R$ 26,50

16h45 – Malta (R$ 40,50) x (R$ 1,01) Espanha. Empate: R$ 19,25

16h45 – Suíça (R$ 2,20) x (R$ 3,50) Dinamarca. Empate: R$ 3,10

20h55 – EUA (R$ 2,90) x (R$ 2,40) Chile. Empate: R$ 3,30

23h00 – México (R$ 1,83) x (R$ 4,50) Paraguai. Empate: R$ 3,35

Comentários

Gaúcho, colorado e estudante de Engenharia de Computação. Doente por futebol desde que se entende por gente. Joga futsal nas horas vagas. A cada dois jogos, uma lesão.