Angeliño roeu o osso e tenta se firmar no City

Angeliño Manchester City Signs

O maior problema do treinador Pep Guardiola no comando do Manchester City tem sido a lateral esquerda. Desde 2016, não encontrou solução pelo setor. Em seu primeiro ano, manteve os que já se encontravam lá: Aleksandar Kolarov e Gael Clichy. No entanto, a própria utilização dos dois em posições menos familiares (na zaga), deu a entender a insatisfação do comandante. Em 2016/17, a peso de ouro chegou o francês Benjamin Mendy, que acabou atuando pouco, quase sempre lesionado. Os improvisos de Fabian Delph e Zinchenko — além de Laporte e Danilo — ofereceram socorro, mas não preencheram a lacuna. Enquanto os Citizens passavam por dificuldades, o jovem Angeliño ganhava experiência e lutava por reconhecimento.

Início que chamou a atenção de grandes

Lateral esquerdo de veia ofensiva, Angeliño foi descoberto pelos olheiros do Manchester City em 2012. Então, atuava nas categorias de base do Deportivo La Coruña, clube que o acolhera aos 10 anos de idade. Galego de Coristanco, chamava a atenção por uma série de quesitos. Embora tivesse o que melhorar em termos defensivos, indo à frente deixava claro o tamanho de seu potencial, tanto pela força para avançar quanto pela qualidade e técnica de seus cruzamentos.

Manchester City Angeliño Youth

Foto: ManCity.com

Disputado por vários clubes — dentre os quais Barcelona e Real Madrid — acabou se decidindo pelo City. O vínculo foi firmado em 2012, mas só se tornou efetivo em 2013, ao completar 16 anos. Conforme noticiou o periódico La Voz de Galicia, desde 2009, ano em que foi eleito um dos cinco melhores jogadores de um torneio de base, vinha sendo observado por outras equipes. Acertado com o time mancuniano, Angeliño viu tudo ser pensado para que se adaptasse da melhor maneira possível, desde a família com a qual viveria até alcançar a maioridade até classes de inglês.

Contratado para atuar com os garotos do time sub-18, logo treinava com a equipe de reservas, tendo chegado a estar no banco da equipe principal já no final de 2014, aos 17. A estreia demoraria, ao contrário das primeiras oportunidades como profissional. Angeliño passou parte da temporada 2015-16 emprestado ao New York City, clube irmão dos Citizens. O clube mancuniano desejava dar, o mais rapidamente possível, tempo de jogo para sua joia.

Angeliño New York City Iraola Lampard

Foto: NYCFC.com

Em três meses na MLS, Angeliño impressionou, disputando 14 jogos e criando quatro assistências. De volta a Manchester no início de 2016, sentiu o gostinho de atuar pela primeira vez pelo City. Foram nove minutos, durante a vitória do clube contra o Aston Villa, pela FA Cup. Só voltaria a entrar em campo em uma liga importante na temporada seguinte.

O périplo de Angeliño até a venda estratégica

Depois de passar a primeira metade da temporada 2016-17 ainda em Manchester, chegando a defender o City em dois jogos, Angeliño foi enviado de volta à Espanha. Agora, sua missão seria mais difícil. Emprestado ao Mallorca, encarou a dureza de uma segunda divisão. O período foi complicado para os Bermellones da turística Palma, rebaixados à terceirona. No entanto, para o lateral o período não foi tão ruim, já que foi sempre titular, às vezes na ala e em outros turnos pelo meio-campo.

Mallorca Angeliño

Foto: RCDMallorca.es

Acabou voltando à Inglaterra em 2017-18 apenas para ser emprestado outra vez. Outra vez, a cessão teve impacto positivo em sua carreira. Agora na Holanda, defendendo a camisa do NAC Breda, conseguiu um feito impressionante: disputou cada minuto da campanha de seu time na Eredivisie. Em 34 encontros, fez três gols e ofertou seis assistências. Note-se que falamos a respeito de uma equipe que ficou em 14º lugar, quatro pontos além da zona do descenso.

Eleito o talento do mês por quatro vezes durante a referida campanha e integrante do time do ano, recebeu muitos holofotes e passou a ser assediado por alguns clubes. O PSV Eindhoven, um gigante nacional, que não é bobo nem nada — e havia vendido Joshua Brenet ao Hoffenheim —, foi atrás do talentoso lateral dos Citizens. Acabou conseguindo uma pechincha, pagando €5,5 milhões por seus serviços. Não obstante, o clube inglês agiu com igual sagacidade, assegurando uma cláusula de recompra, em caso de sucesso do lateral. 

NAC Breda Angeliño

Foto: NAC.nl

Brilho no PSV

A permanência na Eredivisie, mas em um nível de competição bem mais elevado, revelou-se justamente o que o jogador precisava. Em 2018-19, Angeliño foi o lateral com mais ocasiões de gol criadas em toda a liga (68) — como comparação, o argentino Nico Tagliafico, titular do campeão Ajax, criou apenas 33. Também acabou sendo, dentre os alas, o recordista de assistências do certame, com nove de seus passes resultando em gols.

Angeliño PSV

Foto: PSV.nl

Aliás, seu desempenho defensivo também não deixou a desejar. Foi o quinto lateral com mais desarmes (74) e o quarto em interceptações (48). O time de Eindhoven sempre atuou com uma linha de quatro defensores, sem dar demasiada liberdade ao espanhol, o que deixa claro que o desempenho de Angeliño foi muito positivo durante a temporada, tanto ofensiva quanto defensivamente — em que pese o fato de não ter enfrentado os melhores adversários possíveis. 

Infograph Angeliño PSV

Infográfico: Eredivisie

O PSV vendeu caríssimo o título para seus rivais do Ajax. Ficou apenas três pontos atrás na tabela de classificação. Ao final do ano, Angeliño foi eleito o talento da temporada na Holanda e voltou a figurar no time da temporada. Enquanto o City seguia convivendo com problemas na lateral esquerda, o espanhol brilhava no PSV — o que, obviamente, não passou despercebido aos olhos do time que detinha a possibilidade de lhe recontratar, ao custo de €12 milhões.

Retorno com confiança e promessa de oportunidades

Como não era difícil de se imaginar, o City trouxe Angeliño de volta na janela do verão europeu, para a disputa da temporada 2019-20. Existe uma tendência de que ele tenha minutos. Isso porque Delph foi negociado com o Everton e Mendy segue sem as melhores condições físicas, com retorno previsto para setembro. 

City Angeliño

Foto: ManCity.com

Testado e aprovado na Eredivisie, o garoto terá outro nível de desafio agora, tanto para apreender as ideias de Guardiola quanto para parar seus novos rivais.

“Angelino é um jogador jovem extremamente talentoso e é um defensor com grande potencial. No último ano, ganhou experiência jogando a Eredivisie e a Liga dos Campeões pelo PSV Eindhoven. Estamos certos de que ele adicionará qualidade defensiva ao nosso elenco”, garantiu Txiki Begiristain, diretor do City, na apresentação do novo-velho contratado.

Ainda assim, aos 22 anos, Angeliño tem tempo para se afirmar. Além disso, carrega a experiência de quem teve de rodar bastante para conquistar seu lugar no time principal do Manchester City. Sempre como titular, importante que se diga. O espanhol tem a confiança de dizer que representou, com distinção, quatro equipes (a despeito de seus próprios destinos). A oportunidade para subir mais um degrau em sua carreira está dada.

Comentários

Advogado graduado pela PUC Minas, mestrando em Ciências da Comunicação (Universidade do Minho) e Jornalismo Esportivo (MARCA), 26 anos. Amante do futebol inglês, mas que aprecia o esférico rolado qualquer terra. Tem no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; e não põe em dúvida quem foi o melhor jogador que viu jogar: o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Também n'O Futebólogo e na Revista Relvado.