“Hoje dormimos para sonhar”

  • por Marcela Natra
  • 10 Dias atrás

Bicampeã Olímpica e vice-campeã do Mundo com os EUA, medalha de prata da Rio 2016 com a Suécia e descobridora de talentos hoje consagrados destas seleções. Quando Pia Sundhage foi anunciada a nova técnica da Seleção Brasileira, eu sabia que ainda seria difícil, mas que finalmente estávamos no caminho certo.

Os jogos contra Argentina e Chile mostraram muito do que eu esperava. Vimos jogadoras atuando em suas posições, tirando delas o que elas tem de melhor, sem forçar que aprendessem, ou tentassem aprender em tão pouco tempo de trabalho juntas, uma função nova em campo. Encurtamos os espaços, usamos o toques curtos, trabalhamos melhor a bola antes de seguir com ela loucamente ao ataque.

Foto: reprodução – Pia Sundhage em seu primeiro jogo pelo Brasil

Um jogo mais coletivo e menos individual. O oposto da Seleção de Vadão que aguardava soluções saírem dos pés de Marta, Formiga, Cristiane ou Andressa. Quando a esperança tinha que vir de alguém e não de um time. Uma estratégia suicida e que raramente funcionava quando encontrava com times mais coletivos.

Temos talento, faltava organização. Temos vontade, faltava direção. Temos peças, faltava saber encaixá-las.Tínhamos uma Ferraria na mão de um cego. Agora temos uma Ferrari na mão de um Schumacher.

Foto: reprodução – Pia eleita a melhor treinadora no ano de 2012

Com trabalho, um jogo definido, mais entrosamento e um planejamento – o que já pode ser visto nas datas recentes anunciadas de amistosos contra Inglaterra e Polônia e no trabalho feito nos treinos. Finalmente, depois de muito tempo, podemos imaginar coisas grandes.

Parafraseando Walter Elias, o criador de um império do entretenimento:

“Durante muito tempo encostamos a cabeça no travesseiro para descansar; da falta de uma proposta de jogo, do nervosismo, do quão aflitante era ver tanto talento jogado fora. Hoje não, hoje nós dormimos para sonhar.”

Comentários

Jornalista, apaixonada pela camisa blanca merengue, começou escrevendo sobre cinema até fundar o MeuMadrid e descobrir que as histórias que queria contar eram as do campo da bola.