A era dos treinadores estrangeiros no Brasil

Não é a primeira vez que treinadores estrangeiros trabalham no Brasil, mas é inegável que eles estejam em alta ultimamente. Em 2019, nos clubes da Série A, tivemos Jorge Jesus pelo Flamengo e Jorge Sampaoli pelo Santos. E para coroar esta fase, Jesus conseguiu algo que nenhum outro treinador de fora do Brasil havia feito: vencer o Brasileirão e a Libertadores no mesmo ano, feito difícil até mesmo para técnicos brasileiros.

Para 2020 teremos outros nomes de fora assumindo o comando por aqui: Eduardo Coudet, argentino no Internacional, Jesualdo Ferreira, português no Santos, que teve o contrato encerrado com Sampaoli, e Rafael Dudamel, venezuelano no Atlético Mineiro. Jorge Jesus deve permanecer no Flamengo, pelo menos, até maio, de acordo com as próprias palavras do técnico.

Desta forma, vamos falar um pouco sobre os três estrangeiros que estão desembarcando no futebol brasileiro na atual temporada.

Eduardo Coudet, o hermano colorado

Natural de Buenos Aires, Eduardo Germán Coudet, 45 anos, é um ex-meio campista que, enquanto jogador, teve passagens por clubes como Rosário Central, San Lorenzo e River Plate, onde, inclusive chegou a atuar com o agora seu comandado, Andrés D’alessandro.

Como treinador, Coudet iniciou sua carreira pelo Rosário Central em 2015 e por lá ficou até o ano seguinte, à frente em 68 partidas. O principal momento dele pelo clube foi na Libertadores de 2016 quando eliminou o Grêmio nas oitavas de final da competição. O Rosário foi eliminado pelo clube que seria campeão daquela edição, o Atlético Nacional, nas quartas de final.

Depois do bom trabalho desenvolvido pelo clube argentino, Coudet rumou ao México para treinar o Tijuana no ano de 2017. Comandou o clube em apenas 23 partidas. Retornando ao seu país natal em 2018, assumiu o Racing de Avellaneda, clube pelo qual foi campeão argentino na temporada 2018/2019. Foram 18 vitórias e 10 empates em 31 partidas, aproveitamento de cerca de 68% na competição.

O portal GauchaZH, fez um levantamento da carreira de Eduardo Coudet até o momento. São 171 jogos com 78 vitórias (Sendo 48 em casa e 30 fora); 56 empates (29 em casa e 27 fora); e 37 derrotas (12 em casa e 25 fora).

No dia 16 de dezembro ele assinou com o Internacional até o final de 2021.

Jesualdo Ferreira, o português que busca título no quarto continente diferente

Jesualdo Ferreira chega ao comando do Santos para tentar quebrar uma marca: tornar-se o treinador mais velho a ser campeão brasileiro. O feito até o momento é de Luiz Felipe Scolari pelo Palmeiras em 2018 aos 70 anos. Natural de Mirandela, Jesualdo, 73 anos, chega ao Brasil com um vasto currículo. Ele tentará, também, ser campeão no quarto continente diferente.

Sua carreira como treinador iniciou em 1981 no Rio Maior, time do distrito de Santarém, interior de Portugal. Jesualdo possuí passagens pelos quatro principais clubes do país lusitano: Benfica, Braga, Sporting e Porto, sendo que neste último a maior repercussão, quando foi tricampeão da Primeira Liga Portuguesa entre 2006-09, além de bicampeão da Taça de Portugal em 2009-10.

Em 2015, o luso partiu para um novo desafio ao assinar com o Zamalek, um dos principais clubes do Egito. O clube estava em uma fila de 10 anos sem conquistar o campeonato nacional e, em sua primeira e única temporada pelo clube, Jesualdo conquistou o campeonato nacional.

De novembro de 2015 até maio de 2019, Jesualdo Ferreira comandou o Al-Sadd do Catar. Por lá conquistou quatro títulos, sendo a Liga Nacional em 2018/19 onde o clube disputou 22 jogos com 18 vitórias e três empates, sem falar dos 100 gols marcados na temporada.

Em dezembro de 2019, Jesualdo assinou contrato com o Santos e tem como missão apresentar um futebol de qualidade semelhante ao de Sampaoli.

Dudamel, “estilo (de jogo) é ganhar”.

Natural de Guama, na Venezuela, Rafael Dudamel, 46 anos foi goleiro profissional , com veia artilheira, durante 21 anos. Sendo campeão colombiano com o Deportivo Cali em 2001, clube pelo qual mais atuou em sua carreira, sendo 142 partidas e ainda anotou 11 gols.

Após sua aposentadoria os gramados em 2010, Dudamel assinou como treinador o Estudiantes de Mérida, em seu pais de origem. Foram apenas 16 jogos no comando do clube e um convite para treinar a seleção sub-17 da Venezuela. Pouco depois assumiria a categoria sub-20. Depois de uma rápida passagem pelo Deportivo Lara entre 2013 e 2014, Rafael Dudamel retornou as seleções de base da Venezuela e, em 2016 assumiu o grupo principal da Vinotinto. Comandou o selecionado do país em 38 partidas e esteve nas Copas América de 2016 e 2019. Dudamel é ídolo do futebol venezuelano. A evolução do futebol do pais passou muito por seu trabalho, desde como jogador até como treinador. Mesmo a Venezuela sendo a seleção de menor expressão da América do Sul, Dudamel sempre demonstrou qualidade acima da média para sua posição.

No início deste ano ele assinou contrato com o Atlético Mineiro. Em sua chegada, ainda no aeroporto, foi perguntado sobre qual seria seu estilo de jogo. “Estilo é ganhar. Queremos ganhar, dar muitas alegrias”. O venezuelano pode ser um dos grandes nomes da temporada, principalmente se colocar em prática o futebol ofensivo que, por vezes, vimos em sua seleção . Seu contrato é até o final de 2021.

Comentários

Jornalista em formação no Centro Universitário da Serra Gaúcha, 21 anos. Amante do toque de bola do Guardiola e da intensidade dos times de Klopp. Messi e Cristiano Ronaldo não se comparam, se aprecia. Torcedor do Liverpool desde a derrota de 2007 para o Milan.