Nicklas Bendtner: Da grande esperança do Arsenal à história de advertência

  • por Doentes por Futebol
  • 8 Meses atrás

Nicklas Bendtner é um jogador de futebol que nunca se mostrou sem confiança. Na verdade, seus níveis de autoconfiança eram tão altos que ele pontuou fora da escala quando, em 2011, o dinamarquês realizou um teste de confiança conduzido pelo psicólogo esportivo do Arsenal Jacques Crevoisier.

“Uma das categorias é chamada de “competência autopercebida”, ou seja, quão bom o próprio jogador pensa que é ”, disse Crevoisier. ” Em uma escala de até 9, Bendtner obteve 10! Nunca vimos isso antes.”

Como Crevoisier explicou, esses enormes níveis de confiança podem ser um ponto forte e um ponto fraco. “Quando Bendtner perde uma oportunidade, ele está sempre genuinamente convencido de que não foi culpa dele. Você pode até dizer que isso é um problema, e até certo ponto pode ser, mas também você tem que concordar que esse cara tem uma capacidade notável de dar a volta por cima. “

Na época, os resultados do teste se tornavam piada, mas havia sinais de que uma carreira promissora estava sendo ameaçava. Bendtner tinha acabado de completar 23 anos e estava emprestado ao Sunderland, um clube da Premier League, depois de ter feito parte da equipe titular do Arsenal por quatro temporadas.

Ele se reuniu com o técnico Steve Bruce no Sunderland, que cinco anos antes havia emprestado Bendtner para o Birmingham City, onde o jovem atacante do Arsenal se destacou, marcando 11 gols no campeonato e ajudando o clube a se promover.

Carreira promissora em declínio

No final da campanha de 2006/07, Bendtner parecia estar a um passo do sucesso com os Gunners. Arsene Wenger era um torcedor ávido e realmente acreditava que o dinamarquês seria o camisa 9 ao longo dos anos no Arsenal. No entanto, nos quatro anos entre seus períodos de empréstimo, Bendtner lisonjeado e frustrado entregou muito mais do que se esperava ao clube, ao qual ele ingressou com 16 anos. 

No entanto, a paciência de Wenger se esgotou e a grande esperança do Arsenal viu sua carreira declinar a ponto de ele atualmente se tornar, aos 32 anos, parte do time de “Old Boys” do clube dinamarquês Tarnby FF da quarta divisão. 

Agora Bendtner revelou em sua autobiografia, Both Sides, a jornada de como um jovem jogador de futebol com o mundo literalmente a seus pés jogou tudo fora depois de ser seduzido pela riqueza, fama e níveis incontroláveis de presunção ligados à vida de uma estrela da Premier League.

Bendtner descreve muitos exemplos alarmantes em seu livro de como a carreira dele e de fato sua vida, saiu dos trilhos durante o que deveria ter sido o auge de sua carreira no futebol. Talvez o mais chocante tenha sido quando ele foi a um cassino de Londres e perdeu mais de £ 400.000 (libras) na mesa da roleta.

“Estou muito bêbado para sentar em uma mesa”, diz ele. “Isso eu entendo. Mas a roleta é um assunto diferente. Vermelho, preto, vermelho, preto. Quão difícil isso pode ser?” Claro, a roleta é especificamente projetada para dar ao cassino a vantagem, então mesmo as melhores estratégias de roleta dificilmente garantirão vitórias a longo prazo, mas usando essa lógica alcoolizado, não é surpresa que Bendtner tenha perdido muito. 

Muito talento, pouca humildade

Para o atacante dinamarquês, não foi apenas o dinheiro perdido, mas o que ele representou: um jovem totalmente desprovido de autodisciplina que pensava ter um estoque infinito de recursos financeiros, além de ser muito convencido – mesmo que apenas em seu estado de embriaguez – logo, a mesa da roleta vai virar a seu favor pelo simples motivo de quem ele é: um jogador de futebol famoso.

Aliás, aquele momento no cassino aconteceu poucos meses depois de seu infame teste de autoconfiança. 

Embora possa ser difícil para algumas pessoas sentir alguma simpatia por jovens como Bendtner por desperdiçar uma oportunidade com a qual milhões de meninos e meninas só podem sonhar, sua queda é outro sério lembrete dos perigos que estão em cada esquina se uma carreira em foco não é tratada com o maior cuidado. 

No mundo ultracompetitivo do esporte de elite – particularmente o futebol como o jogo mais jogado e amado do mundo – o talento só pode levar um atleta até certo ponto. Trabalho árduo, dedicação, humildade e uma medida de boa sorte são todos importantes para formar uma carreira sustentável e de sucesso.

Bênção disfarçada?

Talento nunca foi o problema para Bendtner, pelo menos não durante seus anos de formação, mas sem dúvida faltaram trabalho duro, dedicação e humildade, ainda mais com uma sombra em seu julgamento em como lidar apropriadamente com as distrações fora de campo.

Se Bendtner tivesse realmente cumprido a profecia de Wenger – o francês certa vez descreveu o dinamarquês como um “jogador de alta qualidade” – mas isso nunca saberemos. No entanto, o que sua carreira tem mostrado, e o que sua autobiografia destaca, é o quão perigosa pode ser a jornada até o topo da pirâmide no futebol. 

Um jogador que anteriormente ganhou o apelido irônico de “Lorde Bendtner” por seu estilo de vida luxuosa e confiança arrogante em campo, agora é apenas mais uma história de advertência para os jovens. Como a riqueza e a fama no futebol profissional continuam a crescer para níveis ainda mais obscenos, a próxima geração de futuras estrelas pode tomar como base a vida de Bendtner e aprender o que é certo e errado.

No entanto, a pessoa que mais se beneficiará com seus erros é o próprio Bendtner. Ele declarou suas ambições de assumir a função de técnico e talvez não haja melhor técnico para ajudar a manter os jovens jogadores no caminho certo do que alguém que sabe muito bem como tudo pode escapar rapidamente do controle.

Comentários